Liberação de emagrecedores gera briga entre ANVISA e médicos




A aprovação de um projeto na Câmara dos Deputados, que libera três tipos de inibidores de apetite muito populares no Brasil, após seis anos de sua proibição, gerou uma nova guerra de forças entre a Anvisa, o Congresso e os representantes de entidades médicas.

Os inibidores liberados foram utilizados durantes anos contra a obesidade, até serem vetados em 2011 pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa. As substâncias liberadas são “parentes” das anfetaminas: amfepramona, femproporex e mazindol. Na época da proibição, a Anvisa alegou que não havia comprovação suficiente da eficácia das substâncias e que os riscos à saúde eram maiores que os benefícios.

Especialistas dividem opiniões sobre a volta dos inibidores de apetite. Enquanto alguns alegam que isso pode aumentar as possibilidades de tratamento e que tratar a obesidade não é apenas “fechar a boca”, pois se fosse assim, não haveria uma epidemia mundial de obesidade, outros defendem os riscos de substâncias como a subtramina.

A Anvisa afirma que recomendará que o projeto seja vetado. “A decisão do Congresso permite que as substâncias em questão sejam manipuladas mesmo sem a devida comprovação de segurança e eficácia, caracterizando-se como risco para a saúde da população”, informa.

Você pode ver aqui uma matéria bem completa.




Elia M.

Produtora de conteúdo para web, gosto de escrever um pouco de tudo. Quer falar comigo? Escreva para elia@horabrasil.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Conteúdo protegido!