Velocidade cresce 11% e emissões caem 5% com faixas de ônibus em SP

0




As faixas exclusivas para ônibus em São Paulo foram um dos símbolos da gestão de Fernando Haddad. Elas conseguiram aumentar, em média, 11% da velocidade do transporte público na capital. Também foram responsáveis por reduzirem em 5% as emissões de gases de efeito estuda por quilômetro rodado. Além disso, diminuíram emissões de outros poluentes prejudiciais à saúde.

Os dados são de estudo do Instituto de Energia e Meio Ambiente (Iema). O estudo foi realizado para confirmar se as polêmicas faixas tiveram efeito prático. Elas foram criadas por Haddad como resposta às manifestações de junho de 2013, que pediam melhorias no transporte público.

Foi feita comparação entre 2012, quando existiam poucas faixas, e 2014, com cerca de 300 km de faixas de ônibus por São Paulo. Foram considerados 256 km de faixas com ao menos 1 km de comprimento. Em 2016, esse número mais que dobrou. São Paulo tem hoje 516,9 km de faixas exclusivas para o transporte. A Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) diz que 426,9 km começaram a operar na gestão de Haddad. Antes dele, a cidade tinha 90 km dessas vias.

Em 2012, no horário de pico de manhã, a velocidade média dos ônibus era de 13,2 km/h. Em 2014, a velocidade subiu para 15 km/h. Isso representa um aumento de 13,8%. No horário de pico de tarde, subiu de 12,8 km/h para 14,1 km/h, ou 10,1%. Em geral, as faixas funcionam nesses dois períodos.

Algumas vias ficaram mais lentas, mas a maioria esmagadora teve ganho de velocidade. Em 86% dos trechos com faixas, a velocidade aumentou em média 18%.

Ao andar mais rápido, os ônibus consomem menos combustível e emitem menos poluentes. Houve redução de 5% em emissões de gases de efeito estuda, queda de 6% nas emissões de material particulado (MP) e de 7% de óxidos de nitrogênio (NOx). Estes dois últimos componentes estão ligados a doenças respiratórias.

Apesar da polêmica na época de implantação das faixas exclusivas, os pouco mais de 500 km representam apenas 3% das vias da cidade de São Paulo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.