Elder Coutinho, ex-jogador de vôlei, foi morto por ciúmes




Elder Coutinho, ex-jogador de vôlei que morreu após ser atropelado por uma caminhonete, teria sido morto por ciúmes. A conclusão foi do delegado Thiago Teixeira da Silva, responsável pelo caso.

O ex-atleta, que atualmente respondia pela secretaria de esportes da cidade paranaense de Assis Chateaubriand, estava chegando para trabalhar quando foi atingido pelo veículo, que invadiu o ginásio de esportes. Coutinho estava entrando no local quando tudo aconteceu, no dia 5 de julho.

Veja também: Elder Coutinho, ex-jogador de vôlei, morre ao ser atingido por caminhonete; veja vídeo

Ele chegou a ser socorrido com vida, mas morreu no hospital. Além de Elder, mais duas crianças, que esperavam pelo treino, foram atingidas e hospitalizadas.

“Com base nas testemunhas que ouvimos, concluímos que o crime foi passional, por ciúmes. Em depoimento, a esposa do autor disse que teve um relacionamento extraconjugal com a vítima [o ex-jogador] e que o marido descobriu o caso na terça-feira”, comentou Silva, em entrevista ao portal G1.

Quem matou Elder Coutinho?

Gilvane Bazanella Lulu é o nome do motorista do veículo que atropelou e matou Elder Coutinho. Preso em flagrante no dia 5 de julho, após fugir do local na hora do atropelamento, mais tarde se apresentou na delegacia. O homem teve prisão preventiva decretada.

No início, ele disse que teria perdido o controle da direção do veículo. O caso passou a ser investigado pela polícia e quatro testemunhas foram ouvidas até que a polícia concluiu que não foi acidente.



Elder Coutinho jogou no Maringá até 2017, quando deixou o clube para assumir a secretaria de esportes. Ele também já passou por equipes como Rexona, Banespa Santander, Santo André, Florianópolis e Bento Vôlei.

Além da secretaria, Elder tinha um projeto social de vôlei em Assis Chateaubriand, que atendia mais de 200 crianças carentes.

Milena

Escreveu para sites como Yahoo e Dona Giraffa e atua em plataformas com produção de conteúdo. É formada em medicina veterinária, mas trabalha exclusivamente com redação desde 2013. Contato: milena@horabrasil.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *