Casa e CozinhaEconomiaFinanças Pessoais

Alta do preço da carne: como economizar nas compras sem prejudicar o cardápio

A alta no preço da carne bovina exige criatividade do consumidor para economizar nas compras e ainda assim manter um cardápio saboroso.

Incluir carne vermelha nas refeições ficou mais difícil para centenas de brasileiros. O aumento da procura do alimento por parte do mercado chinês, combinado com a alta do Dólar, fez com que os preços aumentassem consideravelmente. Com a alta no quilo da carne, cabe ao consumidor ser criativo para economizar sem prejudicar o cardápio. Para ajudar nessa tarefa, veja algumas dicas de especialistas.

Pesquisa de preços

Dados da Associação Brasileira de Supermercados (Abras) mostram que o reajuste do valor da carne está acima dos 50%, isso em menos de três meses. Em média, houve um acréscimo nos preços de 8,9% por semana desde o início do mês de novembro. Para encontrar valores atrativos, o segredo é uma boa pesquisa (O artigo completo está disponível no site Exame).

Em sites como o Portafolhetos, o consumidor pode acessar o encarte do Supermercado Dia, onde o custo total da ceia de Natal pode ter um custo mais baixo para o bolso do consumidor, em virtude da variedade de ofertas apresentadas em seu folheto online, e também através de outras redes do varejo para comparar preços com facilidade. (Veja as ofertas atuais no encarte do Supermercado Dia em Portafolhetos.com.br)

Os catálogos online são uma boa alternativa para conhecer descontos mesmo sem um folheto impresso. Seja pelo computador ou pelo smartphone, o usuário economiza tempo e consegue visualizar qual mercado está oferecendo um preço melhor pelo quilo da carne, bem como conferir outras opções do açougue. Além disso, estamos protegendo nosso planeta, uma vez que impressões desnecessárias não são realizadas.

Diversificando a carne

Outra saída para economizar é diversificar a carne. A carne bovina é a preferida no prato do brasileiro, mas com a falta de preços mais baratos, é necessário olhar para outras opções, como o frango, a carne suína e os peixes. Os embutidos também são boas opções, como a linguiça, que sempre esteve presente nos churrascos.

A carne também é uma importante fonte de proteína e o ovo pode ser uma substituição inteligente para quem quer ficar de olho na balança, mas tem achado a carne inacessível. Vale prestar atenção em cortes que, até então, não eram tão atraentes, afinal, as previsões apontam que o preço da carne deve permanecer em alta pelos próximos meses (Veja o artigo completo “Preço da carne até pode ceder, mas permanece em alta, diz CNA” em Folha.uol.com.br).

Segunda sem carne

Esse momento também é uma ótima oportunidade para aderir a novos hábitos. A segunda sem carne é um movimento da Sociedade Vegetariana do Brasil que propõe que, ao menos um dia na semana, o consumidor deixe de se alimentar de proteína animal.

Além de diminuir o impacto ambiental, consumir menos carne vermelha faz com que haja menos risco de diabetes, auxilia no controle de peso e reduz a tendência ao infarto. Nesse dia sem carne, você pode testar outros sabores e dá até para optar por produtos saudáveis e orgânicos para aqueles que querem uma verdadeira mudança (Leia o artigo “O que eu posso comprar de saudável e orgânico em um supermercado?” no Guiadocorpo.com).

Mas porque a carne bovina teve alta no preço?

O preço de um alimento é formado a partir de diversas variáveis. Itens como nível de consumo, demanda e até mercado externo são fundamentais para que haja aumento ou queda nos valores. O cenário atual aponta para 4 pontos principais que geraram esse aumento. São eles:

A China aumentou a importação da carne bovina do Brasil, uma vez que seus estoques de carne suína baixaram consideravelmente por conta de uma peste que atingiu milhões de animais no país;

Por conta da alta procura externa, o preço da arroba do boi gordo disparou, o que combinado com a alta do Dólar, deixou tudo ainda mais caro. Atualmente, a arroba (que corresponde a 15 kg de carne) é negociada por R$230, sendo o maior valor desde novembro de 1991, segundo a BoiSCOT (Dados disponíveis em Scotconsultoria.com.br).

A oferta de carnes secundárias como frango e peru também diminuiu, tanto pela procura dos consumidores quanto pela reserva que as empresas fazem para as vendas de Natal e Ano Novo, já é possível encontrar mercados em que a carne de ave teve aumento registrado;

Não há bezerros suficientes nos criadouros para compensar a demanda do Brasil e dos países do exterior, fazendo com que o preço dos filhotes também seja maior. A partir disso, toda a criação acrescenta custos, chegando à um produto final de alto valor.

Para driblar toda essa fase é necessário que os consumidores tenham criatividade e paciência, já que estima-se que os preços fiquem nesse patamar pelos próximos quatro meses, até que passe o Ano Novo Chinês, período em que é provável que tenha mais demanda. Resta encontrar soluções alternativas para manter um cardápio saudável, seja com substituições inteligentes ou a adoção de novos hábitos.

 

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios