Descoberto novo vídeo de estupro coletivo de menina no Rio

0





A polícia encontrou o celular de Raí, um dos suspeitos de estar presente do estupro coletivo com mais de 30 homens no Rio de Janeiro. Nele, novas imagens foram encontradas e ajudam a polícia a identificar quantos homens estupraram a menina de 16 anos. O Fantástico exibiu parte do que foi descoberto pela polícia.

Raí, que está preso no Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio, chegou a dizer que havia destruído o aparelho. As novas imagens fazem com que o crime seja totalmente comprovado.

“Já está provado o crime de estupro. O desafio da polícia é provar a extensão desse crime. Quantos autores e quem praticou esse crime”, explicou a delegada Cristiana Bento. Veja parte da conversa durante o estupro:

 “Não o que, pô?,” pergunta um dos criminosos.

“Ai”, reclama a adolescente, com dor.

Como o estupro coletivo do Rio aconteceu

Até o momento, o trajeto traçado pela polícia foi de que a menor saiu de um baile funk com Raí, o jogador de futebol Lucas Perdomo, de 20 anos, e outra menina. Durante a festa eles usaram entorpecente e bebida alcoólica. Os quatro foram para uma casa no Morro do Barão.





Os três saíram deixando a vítima, ainda sob efeito de drogas, no local, sozinha. O traficante Moisés Camilo de Lucena a encontrou por volta de 11 horas. O homem, conhecido como Canário, a levou para a outra casa e teria sido o primeiro a estupra-la. Ele está foragido.

De acordo com a investigação, a menina de 16 anos foi estuprada pelo menos duas vezes, no sábado pela manhã e no domingo, à noite, mas acreditam que o número de participantes possa ser maior.

Raí, que está preso, chegou nesta casa com Raphael Duarte Belo, de 41 anos, e Jefinho. Eles abusaram da menor e fizeram vídeos e fotos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.