Um dia após eleição, São Paulo regride para fase amarela da quarentena

0

Nesta segunda-feira (30), um dia após as eleições municipais, João Doria anunciou que todas as regiões do estado retornarão à Fase Amarela do Plano São Paulo. O plano trata-se do programa de regras que endurecem ou flexibilizam as medidas restritivas durante a pandemia do novo coronavírus.




Com a mudança, comércios e serviços de todo o estado que já estavam na fase verde voltarão a funcionar durante menos horas por dia. No dia 16 de novembro, Doria havia afirmado que não haveria relaxamento ou endurecimento na quarentena por causa do “atraso dos dados”. Por isso, de acordo com o governador, o Plano São Paulo não seria atualizado naquela semana.

Mesmo com o aumento de 18% nas internações por covid-19, o governo paulista adiou a reclassificação do estado em duas semanas, para o dia seguindo ao segundo turno das eleições. Alegando a falha nos dados do Ministério da Saúde, Doria adiou a atualização do Plano SP para o dia 30 de novembro. Um dia antes, Bruno Covas (PSDB) foi reeleito prefeito da capital paulista; ele foi apoiado por Doria.

Durante a campanha eleitoral, o governo estadual e municipal resistiram a uma reanálise imediata da situação, mesmo com a ocupação em hospitais privados de referência de leitos destinados a pacientes de covid-19 aumentando. Durante a campanha, Bruno Covas repetiu continuamente que a situação em SP era estável. “Há uma estabilidade da pandemia na cidade de SP”, disse Bruno Covas no último sábado (28). Covas também condenou a desconfiança com esses dados.

Atualmente, desde o dia 9 de outubro, a cidade de São Paulo está na fase 4, verde, do Plano SP. Essa fase é a mais branda em termos de restrições. Também estavam na fase 4, verdade, regiões de Campinas, Sorocaba e Baixada Santista, somando 76% da população do estado. Outra parcela da Grande São Paulo estava na fase 3, amarela. O Plano SP possui cinco fases.




De acordo com o Plano São Paulo, o comércio terá ocupação máxima permitida indo de 60% para 40%. E o horário de funcionamento será limitado a dez horas por dia. O limite de ocupação também é válido para bares e restaurantes, bem como o horário reduzido. O consumo no local pode acontecer até as 22h.

São Paulo ficou 52 dias sem uma nova reclassificação. Até o início de outubro, o governo paulista fazia avaliações quinzenais do Plano SP. De acordo com Doria, apróxima reclassificação acontecerá dia 4 de janeiro.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.