Ex-membro da marinha morre após levar oxigênio para crianças presas em caverna na Tailândia




Autoridades tailandesas divulgaram que um ex-membro da marinha que estava trabalhando no resgate das crianças presas em uma caverna na Tailândia morreu após levar oxigênio para as crianças. “Após ter entregue uma reserva de oxigênio, ficou sem ar em seu retorno”, informou o vice-governador da província de Chiang Rai, Passakorn Boonyaluck.

Segundo a BBBC News, Saman Kunan, de 38 anos, ficou sem ar e perdeu a consciência no caminho de saída da caverna. Seus colegas não conseguiram reanimá-lo. O ex-mergulhador deixou a marinha em 2006 para trabalhar no aeroporto de Suvarnabhumi, em Bancoc.

“Um ex-mergulhador da marinha que se voluntariou para ajudar [no resgate das crianças] morreu na última noite por volta de 2 horas da manhã. Seu trabalho era entregar oxigênio. Ele não teve o suficiente em seu caminho de volta”, explicou Boonyaluck.

Membros da marinha tailandesa prestaram homenagem ao ex-colega nas redes sociais. Eles o descreveram como “habilidoso e talentoso” e um “aventureiro que amava esportes” (ele era triatleta). 

Foto: Arquivo pessoal

Relembre o caso

Os meninos de um time de futebol, com idades entre 11 e 16 anos, e o técnico, um jovem de 25 anos, estão presos na caverna Tham Luang desde o dia 23 de junho, quando uma chuva inundou o local e cobriu a saída da caverna. No dia 2 de julho, eles foram encontrados por mergulhadores ingleses.

Nesta quarta-feira, 4, os garotos começaram a ter aulas de mergulho para saírem da caverna com mais segurança. Com a previsão de que fortes chuvas retornem nesta sexta-feira, 6, há risco de aumento do nível da água.

Segundo os profissionais que estão ajudando a preparar o resgate, os meninos terão que percorrer cerca de quatro quilômetros por dentro da caverna, sendo que parte do trecho está inundada. 

Mergulhadores que trabalham no resgate contaram que levaram seis horas para fazer o percurso – nadando, mergulhando e caminhando – e outras cinco horas para fazer o caminho de volta.

Leia também: Jornalista dos EUA chora ao vivo ao noticiar crianças imigrantes separadas dos pais

Flávia Resende

Escrevo sobre quase tudo, principalmente livros, séries, viagens, idiomas, educação, futebol e saúde. Também sou redatora e editora na Contentools e na Blasting News. Contato: flavia_horabrasil@yahoo.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *